Follistatin – The Mutant’s Secret

 
Conforme publicado pelo jornal “Science Translational Medicine”, os pesquisadores do “National Children’s Hospital” (NCH) e da Universidade Estadual de Ohio, provaram que o bloqueio da miostatina em macacos leva ao crescimento do músculo-esquelético, com poucos ou nenhum efeito colateral negativo discernível. A miostatina é uma proteína que ajuda a regular o desenvolvimento muscular dos mamíferos, agindo como um sinal para os músculos pararem de consumir recursos e consequentemente pararem de crescer, bloqueando assim os processos de hipertrofia e hiperplasia. Por outro lado, a inibição da miostatina leva a um aumento da força e crescimento muscular contínuo.
 
Poderás recordar-te de Liam Hoekstra, o bebé que aparentemente nasceu sem o gene da miostatina, o que de forma semelhante, permitiu que estes animais desenvolvessem uma força absurda. Usando a terapia genética, cientistas do NCH foram capazes de obter folistatina (um bloqueador da miostatina) para promover um crescimento muscular fenomenal nos quadríceps de macacos. A NCH ​​está agora a trabalhar com a FDA para executar os passos preliminares necessários para um ensaio clínico em humanos. Poderemos ver uma terapia genética para criar super-homens a tornar-se disponível na próxima década.
O interesse do National Children’s Hospital, na miostatina não é o de criar crianças super fortes, mas sim ajudar aquelas crianças cujos músculos já sofreram atrofia. A Distrofia Muscular (DM) afeta milhares de crianças nos EUA, essas crianças e adultos vão perdendo a massa muscular de forma lenta e raramente sobrevivem até à idade adulta.
 
A terapia genética com a folistatina servir como um método para prolongar a sua vida ou até mesmo para reverter os sintomas das suas condições. Da mesma forma, os idosos são suscetíveis a várias doenças que levam a uma perda de força muscular e coordenação. Ao bloquear a miostatina, todos nós poderemos ser capazes de viver com a força da nossa juventude, mesmo com a idade de 80 anos.
 
 
 
O “National Children’s Hospital” usou macacos para testar os efeitos da inibição da miostatina em primatas. Resultado: macacos musculados.
As minhas preocupações sobre a miostatina focam-se principalmente na lesão potencial de órgãos, possíveis efeitos desconhecidos perigosos no tecido muscular liso, e na tensão excessiva dos ligamentos/tendões.
O trabalho do NCH aborda estas preocupações muito bem. Macacos foram observados durante 15 meses após receberem uma terapia genética que promoveu a folistatina (e bloqueou a miostatina) nos seus quadríceps.
Não foram observados danos nos órgãos internos, o tratamento parece ter afetado apenas o músculo-esquelético, os ciclos reprodutivos e as células continuaram a funcionar normalmente sem que houvesse registo de danos nos tendões ou ligamentos (embora esta última questão não tenha sido acompanhado de forma intensiva durante a investigação).
 
Tal como acontece com todos os animais que vimos com inibição da miostatina, os macacos da NCH obtiveram um aumento sério da força. Os macacos exibiram um maior crescimento muscular durante 12 semanas após o tratamento, período a partir do qual a massa muscular estabilizou. A circunferência média do quadríceps dos animais aumentou em 15%. Usando a estimulação elétrica (você não pode exigir que um macaco levante pesos), os cientistas puderam observar profundos aumentos da força da perna. Um espécime demonstrou um aumento de 78% sobre os resultados do controlo.
O próximo passo para a NCH é a toxicologia e os testes de bio distribuição, conforme descrito pela FDA. Depois disso, serão necessárias novas rodadas de testes antes dos ensaios clínicos em humanos poderem começar. Ainda assim, considerando a ausência de efeitos colaterais negativos e da necessidade profunda da comunidade de pacientes com distrofia muscular, espera-se que os ensaios venham a começar nos próximos anos.
 
Se forem bem-sucedidos, em última análise, a terapia genética de folistatina pode tratar os sintomas de DM ao mesmo tempo que diferentes terapias genéticas podem afetar as causas de alguns tipos de DM. Com o tratamento médico e as terapias para perda de massa muscular na velhice, a derrota da miostatina pode conduzir a uma forma eficaz para que todos nós possamos obter rapidamente um corpo em forma., sem necessidade de treinos, comendo tudo o que quisermos e ainda assim termos um corpo como Adonis. 
 
 
 
 
Ainda assim, há alguns métodos naturais que devemos estudar em concreto… A miostatina é o único e o maior fator catabólico limitativo do crescimento muscular extremo, do desempenho atlético e do envelhecimento! Em suma, a miostatina existe no nosso organismo e funciona basicamente para limitar o crescimento muscular, o tónus ​​muscular, a força e a forma corporal. Basicamente, se há muita miostatina no organismo, isso levará à diminuição da massa muscular e da força, assim como o aumento dos depósitos de gordura, tornando o nosso corpo disforme!
Da mesma forma que uma redução clinicamente significativa nos níveis de miostatina no sangue, pode desencadear as “amarras” que limitam o seu potencial de construir músculos e desenvolver-se. Talvez seja este o problema de muitas pessoas que não conseguem aumentar a massa muscular. Os investigadores estão a trabalhar no desenvolvimento do bloqueio da miostatina, como a degradação muscular e atuação numa variedade de doenças graves como cancro, AIDS, distúrbios músculo-esquelético e miopatias, discrasias endócrinas, anormalidades congênitas e doenças do colagénio, entre outras. A perda de massa muscular é uma marca registada do envelhecimento, na forma de fragilidade nos homens e através da perda de tônus nas mulheres. Enquanto isso, a comunidade atlética permanece paralisada sobre os últimos desenvolvimentos das substâncias inibidoras da miostatina e das técnicas de como os atletas obteriam esta vantagem inibindo a mesma.
Curiosamente, as grandes empresas farmacêuticas continuam a falhar esforços para produzir, um único inibidor da miostatina prescritivo natural, viável e de eficácia para os pacientes. A indústria farmaceutica  continua ainda a ter como foco principal o bloqueio da miostatina com as drogas sintéticas (não-naturais) e de possíveis efeitos colaterais. Estes medicamentos experimentais farmaceuticos apresentam-se como sendo bloqueadores irreversíveis, o que pode ter efeitos secundários potencialmente nocivos. Enquanto as empresas farmacêuticas não conseguirem trazer drogas reais, inibidoras da miostatina, com segurança e de uma maneira menos evasiva, há uma série de suplementos naturais não-farmacêuticos, assim como algumas substâncias e técnicas de inibição que serão apresentadas mais à frente.
 
A primeira pergunta que pode surgir é: qual a supressão de miostatina, de forma natural, suficiente para haver resultados? Se observarmos estudos acerca da perda de músculo, verificamos que há mudanças na miostatina no sangue e como isso se representa em termos práticos. Um estudo publicado em 1999 demonstrou que um aumento no plasma de tão pouca quantidade, em torno de 12% de miostatina, correspondeu a um escalonamento de 2,2 kg. Isso significa perda de 2,2kg de massa muscular magra durante 25 dias! De forma contrária numa análise a grosso modo, uma diminuição da miostatina em torno de 12%  deve ser suficiente para estimular um ganho muscular clinicamente significativo. Tendo isso como base de referência podemos então explorar as possibilidades naturais, sendo a primeira técnica o próprio treino com pesos. Sim, treinar com pesos é um inibidor da miostatina natural e faz sentido! Níveis de miostatina são mais baixos após a musculação, porque a miostatina diminui naturalmente para compensar da microlesão ocorrido durante o treinamento com pesos e  portanto deverá ser reconstruído.
 
A primeira chave é o treino com pesos de maneira correta para estimular a supressão da miostatina. Uma vez que a formação da miostatina é um processo natural no músculo, a fase de recuperação ocorre precedido por uma queda na miostatina logo após um esforço intenso sob os músculos. Esta queda transiente natural de miostatina e posterior reparação, acontece justamente quando o estímulo é suficientemente intenso e resulta em um aumento no tamanho do músculo, o treino com outras cargas semelhantes estimulando então a queda da miostatina. Um estudo publicado em 2004 descobriu que homens saudáveis ​​envolvidos em treino de resistência intensa tiveram uma diminuição de 20% de miostatina, que por sua vez resultou num ganho de 30% de força e um ganho de 12% de massa muscular ao longo de 10 semanas de treino. Então, em termos de ganho muscular, qualquer coisa que faça cair os níveis de miostatina no sangue abaixo de 20% da linha de base, é provável que resulte em ganhos musculares clinicamente significativos.
 
Manipulações dietéticas também irão influenciar a miostatina e foi uma das melhores estratégias até o momento, associado a suplementos! O problema é que leigos não sabem exatamente como e em que medida fará a restrição a ponto de não entrar em catabolismo, por isso um nutricionista deverá ser consultado para avaliar, prescrever e acompanhar o indivíduo! Estudos feitos em animais que fizeram uma dieta de restrição calórica de curto prazo, demonstrou-se que usando um suplemento natural específico para deixar o organismo menos ácido e mais alcalino poderia acentuar-se a diminuição da miostatina. As limitações atuais das abordagens dietética são simples, mas ainda não temos estudos em humanos em grande escala para apoiar qualquer método particular e ainda faltam dados para entender exatamente, como ocorre o declínio em quase 50% da miostatina com o processo de redução calórica e alcalinização do corporal. Mas em algumas abordagens e estudos menores mostraram eficácia na redução da miostatina como relatado.
Então se és capaz de obter alguns inibidores da miostatina, do que esperas? Os investigadores examinaram o efeito de uma dose única, de inibidores do gene da miostatina sobre o ganho de músculo e de força e os resultados foram interessantes. Todos os animais tratados com os inibidores da miostatina demonstraram um aumento da massa corporal e um aumento bruto observável dos músculos quando analisados ​​dois anos mais tarde, em comparação com o grupo que usou placebo. A massa muscular foi acompanhada por uma melhoria funcional demonstrada por um aumento na força dos membros posteriores. Não houve efeito sobre o coração, indicando que a inibição da miostatina foi seletiva apenas para o tecido do músculo-esquelético.
 
O primeiro suplemento natural clinicamente testado para inibir a miostatina, ou seja, capaz de reduzir a expressão dessa proteína, é o MYO-T12(atualmente disponível a partir da MHP como MYO-X), um avanço na ciência sobre a inibição da miostatina. Em 2009 estudos apresentaram resultados  que confirmam que os ingredientes ativos neste suplemento não só eram absorvidos e ativos no ser humano, mas também resultou em média na redução da miostatina temporariamente, caindo a uma média de 46% em todos os resultados de estudos, ao longo de 12 horas.
Em resumo, a excitação em torno de inibição da miostatina só vai continuar a crescer à medida que a popularidade desta abordagem aumenta.
 
 
 
 
Segundo uma pesquisa publicada em 2010 no “Molecular and Cellular Endocrinology”, outro suplemento com essa finalidade é a creatina. O estudo juntou 27 indivíduos do sexo masculino. Oito não fizeram nada, pertenciam ao grupo de controlo. Os restantes 19 treinaram musculação três vezes por semana, durante 8 semanas. Os exercícios consistiam em supino, puxada para costas, curl de bíceps, leg press, extensão e flexão de pernas.
Metade dos indivíduos deste grupo tomou creatina (0,3gr de creatina por cada quilo de peso corporal na primeira semana e 0,5gr/kg nas restantes). No final do estudo, os pesquisadores mediram a concentração de miostatina no sangue dos participantes no estudo. Eles descobriram que os participantes que tomaram creatina apresentavam níveis menores de miostatina do que aqueles que não tomaram nada.

 

Concluindo, a creatinanão serve apenas para dar energia extra, como muitos pensam, mas também tem um efeito anabólico, uma vez que diminui a concentração de miostatina, uma proteína que impede a hipertrofia muscular. Todas estas pesquisas estão a conduzir-nos para um outro patamar… Mas para já ainda parece bom demais para ser verdade. Nós não podemos ser todos o Super-homem, ou podemos?

       

About The Author

David Araújo

Welcome to my Journey! My name is David Araújo and I was born on January 19th, 1993. My goal is to inspire millions of people to achieve the physique always dreamed. I will show you how you can get into and maintain the best shape of your life. Let's add this website in your favorite and follow me in my journey.

Leave A Comment

ABOUT ME

 

My name is David Araújo and I was born on January 19th, 1993. My goal is to inspire millions of people to achieve the physique always dreamed through a healthy lifestyle.
I will show you how you can get into and maintain the best shape of your life. Here you can learn how I utilize lifting weights in order to build muscle and an aesthetic physique, utilize proper nutritiont to either lose fat or focus on building muscle, and still enjoy life without overly restricting yourself.

CONTACT INFO

 

Feel free to contact me if you have any question or even if you want just to say your opinion about my work.

E-mail:   david.araujo.1993@gmail.com
Localização:   Montijo, Portugal

DONATE

 

If I have helped you out, motivated you, or if you've become a fan of me through my videos and pictures, please feel free to support me by donating a small amount of money to help me pay competitions costs. Any amount is appreciated.

NIB: 0036.0212.99100015818.29
IBAN: PT50.0036.0212.99100015818.29
BIC/SWIFT: MPIOPTPL